A filosofia de Westworld

A série Westworld da HBO voltou recentemente para a sua terceira temporada e continua explodindo a cabeça dos fãs ao redor deste world de meu Deus. A filosofia de Westworld é densa, com diálogos bem construídos em uma narrativa (olha só) que é um verdadeiro tapa na nossa cara de seres humanos “livres“. Separei alguns conceitos filosóficos que a série aborda, senta na cadeira que vamos entrar em modo de análise.

Você já questionou a natureza da sua realidade?

E se você tivesse acesso a um lugar onde pudesse descobrir quem você realmente é, realizar seus desejos mais ocultos sem consequências, “viver sem limites”. E se fizesse parte deste lugar? Fosse a vítima dos desejos de outras pessoas? Vivesse em uma narrativa pré- estabelecida onde sua memória fosse apagada sempre que necessário? Pode parecer confuso mas este é o enredo de Westworld, uma série totalmente densa que traz a tona uma das perguntas mais importantes da humanidade: Isso tudo é real?

via GIPHY

O mito da caverna e Westword

Provavelmente você já ouviu falar sobre o mito da caverna de Platão. Se não, a metáfora conta a história de prisioneiros que estão presos em uma caverna desde os seus nascimentos Já começa a ligar os pontinhos ai,. Estes prisioneiros só podem olhar para uma parede, em que é projetada sombras que eles enxergam como a “realidade”. Certo dia um dos prisioneiros começa a investigar o interior da caverna e percebe que as sombras que ele sempre via eram, na verdade, controladas por pessoas atrás da fogueira. Este anfitrião ops prisioneiro; sai da caverna e encontra um mundo muito maior e complexo do que ele tinha antes. Este prisioneiro volta pra caverna pra chamar a galera para a real, mas a galera meio que não acredita nele, triste.

Westworld também utiliza da mesma filosofia, os prisioneiros são os anfitriões, e a caverna, Westworld. O ato de obter consciência é o sair da caverna e descobrir um novo mundo. O questionamento que fica é: Será que o que temos como realidade é realmente a realidade? Ou falta alguém levantar e sair da caverna e percebermos que o que vivemos não passou de uma mentira?

via GIPHY

Vamos sair desta caverna galera.

A consciência em Westworld

O filósofo Rene Descartes em o Discurso do método disse:

“Passei a não crer com muita firmeza em nada do que fôra inculcado por influência da exemplificação e do costume. E deste modo me libertei (…) de inúmeros erros que podem obscurecer a nossa lucidez natural (…)”

Era o século 17 e Descartes tinha como foco dar a sua opinião sem ser queimado na inquisição. No livro O discurso do método, nas cerca de 80 páginas Descartes achou espaço para a famosa frase que faz a gente lembrar na hora da aula de filosofia no ensino médio:

Penso, logo existo.

Westworld aborda também este pensamento através da “libertação” dos anfitriões. A partir do momento em que eles chegam ao centro do labirinto e escutam a sua própria voz, constroem sua própria consciência, pensam sem a necessidade de código pré-definido é que ele “existem”. Na cena onde a personagem Dolores (Evan Rachel Wood) vê na sua frente no momento da análise “ela mesmo” exemplifica bem o pensamento de Descartes.

via GIPHY

Nietzsche e Westworld

Eu quero aprender cada vez mais a considerar a necessidade das coisas como o belo em si — assim, eu serei um daqueles que tornam as coisas belas, amor fati: que seja este de agora em diante o meu amor! Eu não vou fazer guerra contra o feio, eu não o acusarei mais, eu não acusarei nem mesmo os acusadores. Suspender o olhar, que esta seja minha única forma de negar. Eu não quero, a partir desse momento, ser outra coisa senão pura afirmação.

Friedrich Nietzsche em A gaia ciência apresenta a sua visão de vida que casa com a mesma visão apresentada pela personagem Dolores no início da série:

Algumas pessoas preferem ver a feiura desse mundo. A desordem. Eu prefiro ver a beleza.

Este é basicamente o conceito de aprender com os seus erros, após Dolores obter a consciência ela poderia simplesmente apagar todas as memórias ruins, mas ela percebe que os fatos ruins também fazem parte da jornada de se descobrir:

A dor, a sua perda… é tudo o que tenho deles. Você acha que a dor vai fazer você menor por dentro, como se seu coração fosse entrar em colapso sobre si mesmo, mas isso não acontece. Eu sinto espaços abrindo dentro de mim como um edifício com salas que eu nunca explorei.

O conceito de labirinto também vai de encontro com outro pensamento de Nietzsche, o famoso “conhece-te a ti mesmo” que vemos mais latente na jornada do personagem The man in black (Ed Harris) onde de acordo com que ele vai se aprofundando no jogo do parque ele vai descobrindo cada vez mais quem ele é.

veja também Succession

via GIPHY

A filosofia de Westworld é densa e tem muito mais conceitos que não abordamos aqui. A série está longe do final e já estamos ansiosos para a quarta temporada. E ai, qual o conceito de Westworld chamou mais sua atenção?

Elenco

Evan Rachel Wood como Dolores Abernathy

Thandie Newton como Maeve Millay

Jeffrey Wright como Bernard Lowe / Arnold Weber

James Marsden como Teddy Flood

Ingrid Bolsø Berdal como Armistice

Luke Hemsworth como Ashley Stubbs

Sidse Babett Knudsen como Theresa Cullen

Simon Quarterman como Lee Sizemore

Rodrigo Santoro como Hector Escaton

Angela Sarafyan como Clementine Pennyfeather

Shannon Woodward como Elsie Hughes

Ed Harris como o Homem de Preto

Anthony Hopkins como Robert Ford

Ben Barnes como Logan Delos

Clifton Collins Jr. como Lawrence / El Lazo

Jimmi Simpson como William

Tessa Thompson como Charlotte Hale

shares